terça-feira, 1 de março de 2011

"Ser feliz é estar sempre contente!"

Este sábado, por motivos alheios, dei uma catequese completamente improvisada a uma turma que nem tão pouca é a minha.
Dei portanto, catequese à turma do primeiro ano. Eram 9 míudos, um com sete anos e os restantes com seis anos.
À espera de uma resposta diferente, perguntei a estes míudos o que era ser feliz. A resposta foi unânime e ninguém discordou, disserem eles, "ser feliz é estar sempre contente". Considerei uma boa resposta para míudos de seis anos e depois perguntei-lhes se eram felizes. A resposta foi em coro "Nããããããão!"

Entendo ao ouvir os meus putos, não estes, que andar hoje na escola primária é diferente. Muitos míudos sentem-se desde cedo frustados, não têm telemóveis como os outros, não têm consolas, vestem-se "menos bem" que os outros ou, simplesmente, levam para a escola um lanche menos guloso que o dos outros.

Competição, competição, competição,... Em tudo está a competição e por todo o lado estão as vítimas.
Disse o ano passado uma míuda a quem dou catequese para a outra "Eiii que saia tão feia!..." Fica a outra intimidada, sem a capacidade para lhe responder e encosta-se à parede à espera que a catequista a chame para ir para a sala.

A frustração não se apodera do Homem apenas na adolescência ou na idade adulta, sente-se cada vez mais cedo.

Há dois anos trabalhei num infantário com crianças dos 3 aos 5 anos. Quando chegavam as meninas de manhã as educadoras não hesitavam em dizer "Que vestido tão bonito!", "Uma camisola nova!", ou "Umas unhas tão bonitas e cheias de brilhantes!!"  Todas as manhãs acontecia isto e depois lá passavam as meninas pelas mesas a mostrar a todos as unhas brilhantes ou a camisola nova. Mas até aqui, em nada discordo... As meninas são todas muito vaidosas. Eu sou vaidosa!

Mas este "desfile" e elogios logo pela manhã não me deixavam confortável por um motivo. Todas as meninas são vaidosas, é verdade, mas nem todas têm a possibilidade de se vestirem como querem. Esta "avalanche" de elegios tinha efeitos muitos perigosos.
Acontecia que tínhamos no infantário a mesa das meninas que se vestem bem e que recebem os elogios de manhã, e a mesa das meninas que chegavam tantas vezes ao infantário de fato-de-treino e sapatilhas, mesmo não havendo educação física.
Mesmo no recreio, as meninas que tinham roupas lindas e bonitas não deixavam as outras entrar nos jogos delas e brincar com os brinquedos que traziam.

Orgulho-me de poder dizer que fui uma criança muito feliz. Em nehuma manhã me preocupei com a roupa que vestia escolhida pela minha mãe. A realidade de hoje já não é esta! Não admira assim, que crianças com seis anos digam que não são felizes.

4 comentários:

  1. Também lido com crianças todas as semanas e sinto essa pressão constante da perfeição... parte de nós fazer pequenas mudanças nestas situações... infelizmente é assim que vão crescer as nossas crianças, sem que ninguém ponha um travão! 100% de acordo com o teu post!

    ResponderEliminar
  2. Um pôr-do-sol abrasador, enfeitado pelo canto dos grilos, uma juventuda repleta de incertezas, de sonhos longínquos e uma pausa reconfortante. Um momento de um isolamento querido.

    ResponderEliminar
  3. Hoje em dia as crianças não sabem ser felizes, pois não sabem viver com aquilo que tem, mas sim imaginam se a viver com aquilo que queriam ter!! E a infância é das coisas mais belas que podemos recordar.
    O teu post está muito interessante.

    ResponderEliminar
  4. Olá, parabéns pelo seu blog.
    Te convido a conhecer o meu,
    http://carmasepalavras.blogspot.com/

    ;)

    ResponderEliminar